domingo, 19 de dezembro de 2010

Senti, parte 2

Ela acabou por vir ainda que a medo e a olhar para mim com uma cara assustada e frágil, agarrei-a pelo braço, "a mão dela está tão fria!" pensei enquanto cambaleava pela porta da minha casa o mais sorrateiramente possível, os meus pais não me podiam ouvir mesmo, não queria que eles soubessem que eu estava a levar uma pessoa que nem conhecia para casa. "tens de fazer pouco barulho, os meus pais estão a dormir" sussurrei ao seu ouvido, ela abanou a cabeça concordando com o que acabara de dizer. Subi com ela segura pelos meus braços as escadas que davam para o meu quarto, ela estava mesmo frágil, os pés tropeçavam a cada degrau que subíamos dificultando-me a tarefa de manter o silêncio naquele momento. Entrámos no quarto, deitei-a na minha cama e liguei o aquecedor, apontando-o para o seu corpo. "eu vou-te buscar algo para comeres, já volto", ela manteve-se imóvel sem dizer uma única palavra.
Fui à cozinha ver o que é que lhe podia arranjar...hum...uma tosta e um copo de leite..."o que é que estás a fazer acordado a estas horas?"..."mãe! hã..vim só comer qualquer coisa, não consigo dormir..." "andas a fazer muito barulho lá para cima, o que é que andas as fazer?" "nada, sou eu que não consigo dormir, mas eu vou voltar para a cama, até amanhã" "até amanhã, e vê lá se dormes, tens de aproveitar para descansar nestas férias" "sim, eu sei..até amanhã" ... "foi por pouco, tenho de ir lá para cima" pensei, enquanto subia as escadas esforçando-me ao máximo para não deixar cair nenhuma gota de leite no chão.
Quando cheguei ao quarto ela tinha-se embrulhado nos cobertores, a cara já não estava tão pálida e quando fechei a porta do quarto os olhos abriram-se, uns olhos verdes selvagens mas cansados, "trouxe-te uma tosta e um copo de leite, não sei se gostas..." .. ela continuava a olhar para mim com os olhos quase a fechar e os lábios secos, estava encharcada.. "olha, veste qualquer coisa quente, não podes estar assim..essa roupa está molhada e assim ficas com muito frio...percebes?", dei-lhe roupa quente e saí do quarto para ela se poder vestir, voltei a entrar e ela já estava de novo na cama agora com a roupa quente e seca que lhe tinha dado. "come, tens de comer, estás muito fraca.." "posso?" "claro que podes, que pergunta!".
Não tinha reparado que ela era tão bonita..

11 comentários:

  1. oh *-* muito obrigada pelas palavras e pela força vou lutar até ao fim sim, obrigada mais uma vez :')
    estáa Lindo este texto toca realmente muito *-*

    ResponderEliminar
  2. Estou a gostar * Já li o 1 e este, espero pelo 3.

    ResponderEliminar
  3. Muito bom !
    Estou à espera da terceira parte :)

    Continua.

    ResponderEliminar
  4. Ainda bem q gostas (:
    E mais uma vez a curiosidade despertou*

    ResponderEliminar
  5. eu tbm :s, mas n a cnseguimos controlar infelizmente :/

    ResponderEliminar