segunda-feira, 23 de janeiro de 2012

A vizinha (3)

Ele saiu de casa e acompanhou a irmã à escola.
Pelo caminho foi-lhe explicando as mil e uma razões que tinha para que ela não ouvisse Justin Bieber e que se concentrasse mais em Radiohead e Blur..ela acenava a cabeça em sinal afirmativo mas dois minutos depois lá começava a cantarolar "Béby Béby Bébi ó!" ou "Ai se eu ti pégo! Ai Ai..."..ele sabia que um dia ainda lhe conseguiria dar a volta.
Depois de a deixar na escola voltou para casa..não tinha nada para fazer, estas seriam umas mini-férias em que o computador iria fazer o máximo para que ele se mantivesse minimamente entretido..
O calor daquele dia parecia não dar sinais de diminuir e já há alguns meses que as chuvas não deixavam o sol respirar por um segundo que fosse..era bom sentir aquele calor a bater-lhe na cara..
Chegou a casa, atirou-se novamente para a cama mas pensou que aquele dia não lhe podia desaparecer por entre os dedos..pegou na guitarra e foi para o jardim..mal abriu a porta o calor inundou-lhe o corpo e uma sensação reforçada de contentamento atingiu-o como um raio. Caminhou para o jardim e sentou-se no meio de todas aquelas ervas e flores e cenas que já estavam na altura de serem cortadas...
Já estava há algum tempo a dedilhar as cordas de ferro da acústica quando viu um camião aproximar-se..a rua tinha estado deserta até então, por isso ver um camião gigantesco a aproximar-se, com outro atrás...era ruído e movimento a mais. Levantou-se e olhou melhor para a confusão que lá vinha.
Os camiões aproximavam-se cada vez mais da casa dele e, quando Rafael deu por si, estava com dois camiões a taparem-lhe o sol...ficou a ver a cena a uns metros de distância e só depois se apercebeu que, possivelmente, alguém tinha a comprado a casa que estava para venda...mesmo em frente à sua.
Quatro homens, dois de cada camião, começaram a descarregar as coisas todas..móveis, tapeçarias...e só uns bons trinta minutos depois é que conseguiram tirar tudo lá de dentro...quando estavam mesmo a tirar o último cadeirão surgiu um carro no fundo da rua...deviam ser os proprietários.
O carro parou.
Saiu uma mulher...e depois um homem...pareciam ter a idade dos pais dele ...mas, tinha saído mais alguém...a guitarra caiu no meio de todas aquelas ervas e flores e cenas que já estavam na altura de serem cortadas...

4 comentários: